Todos nós já nos perguntamos, o que seria do mundo sem dinheiro?

Será que viveríamos numa utopia onde toda gente tinha que queria sem trabalhar por isso? Será viveríamos na terra dos sonhos onde a realidade é feliz para todos?

Será que não existiria pobreza? Será que não haveria guerras? Será que não haveria inveja, ganância e tirania?

Com certeza que a resposta não seria igual para cada pessoa, na verdade o dinheiro ou a inexistência do mesmo não nos livraria de todos esses problemas.

A origem do dinheiro veio da necessidade de haver uma moeda de troca independente para realizar transações de maneira a satisfazer as nossas necessidades básicas.

Desde há muito que lutamos e trabalhamos para que tenhamos os recursos necessários para a nossa subsistência, começamos pela caça, onde o homem diariamente era forçado a sair do seu espaço para se alimentar. Séculos passaram e o homem descobriu novas maneiras de sobrevivência, com a aprendizagem da agricultura ou a partir da criação de gado o homem passava assim a puder colher o seu próprio alimento sem ter de colocar em risco a sua vida.

Os anos passaram e novas mentalidades surgiram, o homem evoluiu não só como espécie, mas também como comunidade. Passou a ser mais independente como pessoa singular, mas coletivamente começou a depender mais de um sistema que o fornece-se facilmente sem ter de trabalhar tanto.

A realidade é que o sistema é frágil e desequilibrado, a vida no primeiro mundo pode levar a morte do terceiro e vice-versa, muito devido à má distribuição da riqueza e recursos essenciais fornecidos pelo planeta.

Sonhemos então sem dinheiro, como seria o mundo sem o seu principal fator de diferenciação social?

Nada fácil, em primeiro, teria de haver um sistema mundial que pudesse organizar equilibradamente a distribuição de bens, justamente pelo planeta todo, teria de haver uma eficiência na produção dos recursos para que não faltasse nada a ninguém e de maneira a não haver excesso de produção evitando desperdícios desnecessários.

A população tinha de ser controlada, atualmente somos cerca de 6 biliões de pessoas no planeta, se já é difícil fornecer comida saudável a todos, imagine se que ela era garantida sem um preço de venda, mas a verdade é que tudo tem um custo e ao estarmos a garantir o presente, o dia a dia, eventualmente estaremos a hipotecar o futuro das próximas gerações.

Assim sendo era fulcral talvez uma redução da população mundial de maneira a que possam garantir a prosperidade para futuras gerações.

Num mundo sem dinheiro não faria sentido muita coisa supérflua que damos valor, mas outras ganhariam outro sentido. Apostar na educação, na ciência, no auto sustentabilidade seriam as principais fontes de conhecimento para a evolução humana e talvez assim erradicaríamos a fome e pobreza.

A organização e a distribuição dos recursos teriam de ser controlada para que não houvesse extremos (uns com muito mais, outros com muitos menos), só assim se conseguiria evitar guerras e invasões pois se cada pais ou região tivesse o seu, não haveria necessidade de ir tirar dos outros utilizando a violência.

Toda gente teria de trabalhar e continuar a fazer o seu papel na sociedade, muitos postos de trabalho já não seriam necessários e outros passariam a ganhar uma maior importância.

Concluindo que, nada nos garante que um mundo sem dinheiro seria um paraíso, talvez um caos, nada nos garante que seria mais fácil ou pacifico, mas a realidade é que talvez se não tivéssemos que viver pelo dinheiro talvez finalmente pudéssemos viver pela vida e começar a gastar bem o nosso tempo que é tão mais precioso.